Natal

Natal

Natal de Carvalho Baroni ( Belo Horizonte, 24 de Novembro de 1945 ), chegou com 13 anos ao Cruzeiro após se destacar atuando pelo time amador do Itaú, na Cidade Industrial, região de Contagem.

Após brilhar nas categorias de base do clube Celeste, Natal foi finalmente promovido ao profissional em 1965, onde passou a jogar ao lado de nomes como Raul, Dirceu Lopes, Piazza, Tostão entre outros que juntos formaram um dos mais espetaculares times da história do Maior de Minas, tendo conquistado a Taça Brasil de 66 além de ser pentacampeão mineiro de 1965 a 1969. Esse time ficou conhecido como o " Esquadrão Imortal ".

Conecido como " Diabo Loiro ", natal era famoso por sua vida boêmia, sua paixão por carros conversíveis e por ser um galanteador nato. Também era conhecido por sua irreverência, tendo sido o " contador de piadas " do plantel na época.

Era constantemente quaestionado por seu comportamento considerado irresponsável, porém tudo isso era deixado de lado quando o ponta direita entrava em campo, sempre se destacando em suas partidas, principalmente nos clássicos contra o arquirrival Atlético mineiro.

 

O auge:

Na final da Taça Brasil de 66, natal viveu o seu maior momento com a camisa estrelada. Na final contra o Santos de Pelé, o time Celeste terminou a primeira etapa perdendo o jogo por 2 a 0. Na segunda etapa o time reagiu e virou o jogo, tendo o ponta direita anotado o terceiro tento e dado o título histórico para o até então mediano time mineiro, que começava a se tornar um verdadeiro gigante a partir daquele momento.

Saídas, retornos e o fim:

No início dos anos 70, sua vida boêmia irritou profundamente a alta cúpula Celeste, que decidiu colocar  passe de Natal a venda por 117.000 cruzeiros. Logo, o Corinthians que na época gostava de contar com pontas-direitos contratou o Diabo Loiro, encerrando assim a primeira passagem do jogador com a camisa Estrelada.

Após rápida passagem pelo clube paulista e também pelo Bahia, Natal retornou ao Cruzeiro, porém su 2ª passagem foi totalmente discreta.

Natal encerrou sua carreira no Villa Niva-MG em 1981, aos 35 anos. Atualmente, trabalha como olheiro nas categorias de base do Clube mineiro.

       Títulos

·        Campeonato Brasileiro 1966

·        Campeonato Mineiro 1965, 1966, 1967, 1968, 1969

 

 



Outros Jogadores Clássicos