Ainda presos em 2017

Com mesmo time e mesmos problemas, Cruzeiro segue preso em 2017

Em 05/04/2018 09:17

Ainda presos em 2017

O calendario pode até mostrar que hoje é dia 05 de abril de 2018, mas no Cruzeiro ainda não. Vendo a partida de ontem contra o Vasco pela segunda rodada da Libertadores tenho a convicção. Ainda estamos presos em 2017. Afirmo isto por diversos fatores, mas os principais deles são: Mesmo time, ou até mais fraco que o de 2017 e mesmo problemas na construção do jogo.

Pode pegar a escalação da partida de ontem, Fábio, Lucas Romero (Ezequiel), Dedé, Léo e Egídio; Henrique, Ariel Cabral (Mancuello), Thiago Neves e Robinho; Rafinha (Sassá) e Arrascaeta. Percebem? O time que iniciou a partida era justamente o time base do ano passado apenas com a entrada de Egídio na vaga do Diogo Barbosa. Além do camisa 6 o único reforço da temporada que participou do jogo foi Mancuello que entrou na vaga de cabral faltando pouco mais de 10 minutos para o fim da partida e também pouco agregou.

Com o mesmo time do ano passado alterando só a lateral esquerda eu falo com tranquilidade, o time que supostamente melhor se reforçou para a temporada, é hoje mais fraco do que foi em 2017. E tendo os mesmos jogadores e o mesmo técnico, é inevítavel dizer que sofremos ainda com os mesmos problemas. Pragmatismo na hora de atacar, um Deus nos acuda na hora de defender e a sensação que só uma falha muito bisonha do adversário poderia resultar em um gol do Cruzeiro.

O ídolo Alex já tinha cantado a pedra ano passado, mas até hoje nos iludimos achando que no próximo jogo pode ser diferente. Não se discute a qualidade de Mano Menezes, é um grande treinador, que entende da parte tática, da parte técnica e acima de tudo da parte estratégica do time, seu ponto forte na campanha do penta da Copa do Brasil, e, por isso é o nome certo para comandar a equipe. Mas acima de tudo Mano não tem a mesma ideologia de jogo das tradições celestes, o Cruzeiro sempre foi o time do ataque, o time que toma dois gols mas faz três, e que não passa em branco um jogo contra um time relativamente fraco como este do Vasco.

Eu até tento me adaptar, me acostumar à esta filosofia de Mano Menezes, mas não nego que é difícil. Poucas vezes fiquei tão agoniado vendo uma partida de futebol como na noite de ontem. Eu via o Cruzeiro tentando atacar, mesmo sabendo que nada daria certo ali, o meio campo não criava, Sassá foi muito mal e a dificuldade de trabalhar a bola ofensivamente chocava. Pior, se não fosse um milagre feito por Fábio em chute de Paulinho e uma atuação memorável de Dedé na defesa poderíamos sair da partida sem nenhum ponto e ai assim nação azul, a classificação ficaria bem complicada.

Daqui duas semanas o Cruzeiro volta a jogar pela Taça Libertadores, desta vez fora de casa contra a La U, e nada além de uma vitória no Chile servirá para melhorar a campanha do time na competição, em caso de tropeço, só com muita sorte conseguiremos passar da fase de grupos. Antes disto o time ainda enfrenta o Alt Mineiro pela final do Campeonato Mineiro, e o Grêmio pela primeira rodada do Campoenato Brasileiro, ambos no Mineirão. Mano terá que trabalhar muito para arrumar o time e embalar estas três vitórias seguidas, pois só assim a tranquilidade voltará a reinar na Toca da Raposa.

Por: Paulo Mota e Infozeiro



Últimas Notícias