Talvez não sejamos tão BONS quanto pensamos que somos

Cruzeiro faz jogo medíocre contra o Vasco e se complica na Libertadores

Em 05/04/2018 11:02

Talvez não sejamos tão BONS quanto pensamos que somos

Talvez não sejamos tão quanto pensamos que somos

Cruzeiro faz jogo medíocre contra o Vasco e se complica na Libertadores

 

Mais uma vez o Cruzeiro jogou de forma desorganizada, com pouca criatividade e movimentação, mas, principalmente, sem a garra necessária para se vencer uma partida de Libertadores.

Se a questão é financeira, como a notícia de que o clube buscou um novo empréstimo para pagar os salários, é importante que o assunto seja tratado com mais transparência pela diretoria.

Caro diretor Itair Machado, tanto faz se o empréstimo é pra pagar salários ou não. O negócio é que se o clube precisa ir pegar dinheiro no banco é porque está faltando no caixa uai... foram R$ 50 milhões em janeiro. Por que pegar mais agora? Já?

Não adianta 70 mil torcedores se tornarem sócios e não terem clareza sobre o que é feito com o dinheiro que investem no clube.

Outra coisa: se essa má vontade dos jogadores em campo for decorrente de salários atrasados é um absurdo. Estão iguais àqueles juízes que ganham mais de R$ 30 mil por mês e cobram auxílio moradia. Bom senso zero!

Dentro de campo precisamos reconhecer que Robinho talvez não seja o homem de ligação entre o meio e o ataque que precisamos para uma competição realmente grande, como a Libertadores.

Podemos ter que entender que o time não pode vencer se atacar apenas pela esquerda (e mal ainda por cima). Time manco não ganha jogo!

A hipótese de que a dupla de volantes formada por Henrique e Ariel seja lenta ganha força a cada dia.

Arrascaeta já está com a cabeça na Rússia. Ou na Inter de Milão.

Rafinha simplesmente não é jogador para o Cruzeiro.

Precisamos sentir o sabor amargo de saber que, hoje, Mano Menezes olhou pro banco e pensou: “quem eu vou colocar?”. Não tinha nenhuma opção decente para o ataque. E não tentem me convencer que o Rafael Sóbis é uma opção!

Cadê a base? Não revela ninguém de porte pra ser titular do time principal. A única ressalva é o Murilo, mas ele é apenas um entre mais de 100 meninos que o Cruzeiro mantém na Toca I. Que tipo de investimento é esse? Que custo-benefício é esse?

É o momento do elenco do Cruzeiro se reunir, discutir os pontos de insatisfação que tem interferido na performance da equipe, aparar essas arestas e retomar o rumo no próximo domingo.

Todo cruzeirense está bravo com o time hoje, mas nenhum de nós irá abandonar o barco. É hora de cobrança, mas também de união.

Vamos pra cima, Cruzeiro!

Afinal, nós temos um galinheiro pra queimar no domingo!



Últimas Notícias