Detalhes do Título

Recopa Sul Americana 1998

Recopa Sul Americana 1998

O Cruzeiro havia sido campeão da Libertadores de 1997 e os argentinos do River Plate haviam conquistado a Supercopa dos campeões da Libertadores do mesmo ano. A partir desses resultados estava formado o cenário de rivalidade da disputa pela taça da Recopa. O clima de tensão em cima da decisão histórica começou a se formar muito antes da bola rolar. Por questões burocráticas como: falta de datas para a realização do jogo e falta de patrocínio, decidiram a disputa - que teria acontecido em 1998 - para o ano de 1999.

 Não seria o primeiro embate entre os dois clubes. Em outras duas oportunidades Cruzeiro e River já tinham se enfrentado em uma disputa continental. Nas duas (Libertadores de 76 e Supercopa de 91) o clube Celeste havia triunfado sobre o River. A decisão porém, seria em terras argentinas. O primeiro jogo no Mineirão foi um show para a torcida cruzeirense. Levir Culpi comandou a vitória celeste, por 2x0, com gols de Muller e Giovanni. Levir carregaria em sua bagagem para a decisão na argentina a preocupação com desfalques importantes no time, que poderiam colocar tudo a perder.

 O técnico do River Plate mostrava confiança para o segundo jogo, mesmo depois da derrota em Belo Horizonte: "Quantos gols temos que fazer para ganhar a Recopa? Três? Bom, então faremos três,” afirmou Ramón Diaz. O mesmo Ramón Diaz que já perdera em 1991 como jogador o título da Supercopa para o Cruzeiro, em condições muito semelhantes, o Cruzeiro precisa fazer três e fez. Levir, por sua vez, sabia que enfrentar argentinos era sempre perigoso e afirmava que o Cruzeiro entraria em campo em clima de decisão. Mesmo antes do apito inicial Espínola, zagueiro do River, e Giovanni do Cruzeiro já estavam trocando farpas.

 O cenário de "guerra" estava montado. Logo aos 18 minutos do primeiro tempo foi justo ele quem marcou. Giovanni encobrindo o goleiro Bonano e abrindo o placar para a Raposa. Em um jogo eletrizante - com três expulsões - os argentinos ainda veriam as redes do gol de Bonano balançarem outras duas vezes: com Marcelo Ramos e Paulo Isidoro, de pênalti, fechando a goleada celeste.

O Cruzeiro tornava-se o primeiro time brasileiro e bater o River Plate no Monumental e o Boca na "Bombonera". O temido "La Bestia negra" vencia o River naquele momento pela terceira vez em uma decisão continental. Uma dor de cabeça que os argentinos ainda tentam esquecer e uma página na história do Cruzeiro que revela sua grandeza e imponência perante o futebol mundial.

Por Mateus Batista



Títulos relacionados

Nenhum resultado encontrado.



História

Títulos

Ídolos Celestes

Jogadores Clássicos

Torcida

Mantos Celestes

Clássicos

Cruzeirenses Ilustres

Estatísticas

Curiosidades

TV Nação

Humor

Cliques da Nação

Artistas Celestes

Gatas Celestes

Tabelas

Calendário de Jogos

Downloads